quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

UFO EM FORMA DE ESPIRAL NA NORUEGA


Um jornal britânico The Guardian publicou matéria dizendo que o senhor Julian Assanger do site Wikileaks iria vazer notícias sobre UFOs. Segundo Julian há relatórios em seus arquivos secretos sobre extraterrestres. O jornal russo Pravda também menciona manobras ou algo estranho no golfo de Áden e cita a cidade de Djibouti na África como ponto de referência dessas notícias. Tremores frequentes na região chegando 30 nas últimas horas.  O golfo está muito bem guarnecido como desculpa de pirataria em navios que utilizam o espaço. Para alguns parece desnecessário diante da fragilidade dos assaltantes. Os noruegueses viram uma espiral no céu, também vistas no Golfo de Áden. Para alguns parecia uma bola de fogo, foguete russo, meteóro ou ondas de choque. As cidades de Trondelag e Fenmark foram os dois locais em que o fenômeno pode ser visto e causou pânico. Ninguém sabe explicar o que aconteceu. Assista o vídeo.
Mais informações:

domingo, 26 de dezembro de 2010

VIDA EM TITÃ - SATÉLITE DE SATURNO

Falarão hoje em entrevista coletiva  cientista em astrobiologia, pesquisadores da existência de vida no Universo. São eles: Mary Voytek que dirige o programa de astrobiologia da Nasa; Felisa Wolfe-Simon, pesquisadora em astrobiologia do instituto de Geofísica americano; e Pamela Conrad Goddard, da Nasa. Estas cientistas devem anunciar vida em Titã, satélite natural de Saturno, segundo os especuladores. Elas estudam a origem, evolução e localização de algum tipo de vida  extraterrestre. Esse satélite, segundo cientistas possui todos os componentes para abrigar vida, como oxigênio, água e talvez temperatura (satélite extremamente gelado). Quando se anunciam, ou se falam em extraterrestre, há sempre aqueles que admiram este tipo de assunto. Polenizam, criam  comunidades para discutir, mostrar e escrever sobre o assunto. Fala-se que aqueles que mais sabem, escondem. Sempre fica para depois a elucidação de tais fatos e até agora, a Nasa não quis dar nenhum detalhe. Os amantes dos extraterrestre, incluíndo eu, aguardam anciosos, porém com o mesmo temor de que mais uma vez ficarão nos devendo.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

O LOBO E O WIKILEAKS

Se o Senhor Julian Assange tiver a proteção da Primeira Emenda Constitucional Americana, que garante a liberdade de expressão e que o protegeria de um possível crime de espionagem, a Suécia não o perdoria por crime sexual. Lembrei-me então da fábula de Esopo: O lobo e o cordeiro (resumo).
       O lobo ao ver um cordeiro à beira de um ribeirinho, tomando água, pensa: "Vim aqui para beber e encontro o que comer".
      Fala para o cordeiro:
      __ Eh! Tu aí! Por que turvas a água que eu bebo?
     Trêmulo responde ao lobo:
     Senhor lobo, eu bebo abaixo e a água passa primeiro por si e depois por mim. Veja como eu bebo com todo o cuidado, só usando a língua.
     Diz-lhe o lobo: Vai querer me ensinar a tomar água? Pois bem, se não turvas água que eu bebo, foi teu pai no passado e tu vais pagar igual.
     Moral da história: Quando alguém quer fazer o mal a qualquer custo, não precisa haver motivos ou qualquer um serve. Leia Esopo,  A cigarra e a formiga e um universo sem fim de fábulas interessantes. Confira.

O COMEÇO: UMA BACTÉRIA ALIENÍGENA

Editora GloboNa minha crônica intitulada "Missão Impossível", escrevi sobre um artigo publicado nos estados Unidos, em que o autor disse que o cientista Paul Davies quer encontrar alienígeas que poderão estar debaixo do nosso nariz. Não afirmava ainda sobre a descoberta de uma bactéria com componentes diferenciados. As bactérias compõem-se de oxigênio, hidrogênio, carbono, fósforo, enxofre e nitrogênio. Pelo que eu entendi a nova bactéria chamada de GFAJ-1, a Estrangeira,  leva o número 1 por ser a primeira bactéria de composição diferente e tem como diferenciador a presença do arsênico. Para os cientista da Nasa esta é uma grande descoberta. O começo. Como eu já disse eu concordo com Davies, se existe um ser com características diferenciadas, o DNA vai ser diferente. O fósforo faz parte da estrutura do DNA que vem a ser um componente do ATP. Através do ATP chega  energia no metabolismo da celula, ou seja transporta energia para ela. A nova bactéria foi encontrada no Lago Mono na California que é três vezes mais salgado do que o mar, é uma bactéria resistente.
      Talvez a dimensão que Davies procura esteja debaixo do mar, naves que mergulham, naves que emergem em shows pirotécnicos. Há quem já tenha visto "coisas estranhas" fazendo manobras incríveis à noite sobre o mar. Eu acreditei. Parabéns equipe da Nasa. E o satélite de Saturno  que espere.
Assunto relacionado:
1 - Missão impossível

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

JULIAN ASSANGE E O VINHO


As mulheres que denunciaram o Senhor Assanger por abuso sexual, o blogueiro responsável peloWikilikeas agora se escondem com medo da represália. Vaia eu já havia dado  aqui quando postei este assunto sobre o título "WIKILIKEANDO E O PRESERVATIVO". As duas, crescidinhas, são conhecidas agora pelo nome de Senhorita A e Senhorita W. A primeira de 31 aninhos, mulher velha para alguns homens é uma cientista política, comunicadora, emprendedora e redadora free-lance. Mulher bem formada, bem informada e  com inteligência de sobra para enrabar o "amigo". Hospeda-o  em seu estúdio e  convida-o para degustar caranguejos regados com um provável clássico vinho francês Sauvignon Blanc ou o um Chardonnay clássico italiano. De bom gosto. Caranguejo vai, caranguejo vem. Boca seca, vinho tem. Não deu outra, vai sem camisinha mesmo. Como diz os gregos, homens afastem-se do perigo, melhor é nem olhar. O diabo pega, o fogo arde. Cuidado com a estrada boa, melhor é atravessar o pantanal e não se encontrar com mulher alguma. Cuidado com a capela, não entre, não reze, passe por longe  há sempre alguma por ali.
     A Senhorita W, com 29 aninhos, achava o Senhor Julian um homem de dar "água na boca" e uns dolares extras nada mal. Escondeu o lobo mau a 50 quilometros de Estocolmo, para carro bom tudo fica perto e carro não faltava,  logo ali e bem escondidinhos. Oxigênio puro. Logo o sono veio. Dormiu de touca. Lá onde o galo canta e o ganso molha o bico,  não havia camisinha. Acordou bem disposta. Tomou breakfast   com o "amigo" e quatro dias depois o denunciou por abuso sexual. O chapeuzinho vermelho está foragida, longe do país. A Interpol que a busque. As  "amigas" saindo da Suécia estarão perdidas porque cá o galo canta e o ganso molha o bico, também, e a lei é outra.

WILIKEANDO E O PRESERVATIVO

Assanger balançou o mundo com o seu blog Wikileaks. Mostrou a fragilidade dos arquivos que eram considerados secretos, agora não mais. Prestou um excelente trabalho a todos os povos. Alguns irão me perguntar por que? Quem sofre com uma administração mal feita não é o governante, é o povo. Se um Presidente da República compra uma frota de aviões super faturado quem paga a conta é povo. Ato consumado, ato registrado e arquivado. A compra ou a venda pode ser feita a portas fechadas, mas sempre documentada. O que precisa acontecer é o respeito com o seu povo e respeito com o país dos outros. Mostrar arquivos não há nenhum problema desde que o melhor esteja sendo feito em prol de todos,  está fazendo o melhor para os meus e para os seus.
      Presidente que administra com respeito, não precisa temer blogueiro, vazamento de informação desde que não comprometa a segurança de seu país. Deixo registrado a minha admiração ao Assanger pela inteligência e coragem de publicar esses arquivos. Quanto as Suécas, já existe preservativo permanente. Não espere que o forasteiro australiano, ainda cansado e se escondendo, vá se preocupar com isto. Mulheres não durmam de touca, durmam de preservativo, mesmo na Suécia que é muito frio. Depois  vão confundir  na hora dizer  o nome do pai para os filhos, Assanger ou Wikileaks.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

WIKILEAKS E OS EXTRATERRESTRES

Foi frustrante a revelação dada pela NASA da descoberta de uma bactéria "estrangeira" quando todos esperavam pelas provas de que alienígenas estavam debaixo do "nosso nariz". Desisti da NASA. Agora estou me entusiamando com o Senhor Julian Assange. Para quem nunca o tenha visto, o que posso adiantar, é um blogueiro e é australiano. Sabe se esconder muito bem. Melhor lugar para se esconder é na Austrália mesmo. Não interessa para os brasileiros ficar sabendo através de arquivos secretos se o Inácio tinha preferência por caças franceses. Se os americanos não sabiam é porque não leem jornais. Gostaria de perguntar ao Senhor Julian, como vai as pesquisa sobre os alienígenas. Esta será uma revelação bombástica. O WikiLeaks, o nome do blog, ainda vai vazar documentos sobre UFOS. Por que ainda? Se o número de documentos secretos são infindáveis, onde está o nosso, digo, os documentos sobre os extraterrestres? Morro e não vejo esta história desvendada.



sábado, 27 de novembro de 2010

FHC DÁ LIÇÕES À DILMA, COM METÁFORA DESASTRADA

        "O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso avaliou ontem que a presidente eleita, Dilma Rousseff, não vai poder governar "no piloto automático" como, segundo ele, o presidente Lula. Em seminário promovido pela TV Cultura, FHC afirmou que a situação econômica nacional mudou e que Dilma terá de tomar medidas mais duras, que vão afetar mais interesses.  Segundo FHC Dilma e Lula têm  condições e características distintas. Disse: "Se não há vento de proa, ainda, não há vento de cauda mais"". C.Povo.
           A frase denota  pessimismo. Vamos encontrá-lo no advérbio "mais" que não significa "nem mais e nem menos" na frase. Significa  que não vai haver vento mais, ou seja, nem hoje, nem amanhã ou jamais.O vento de cauda não depende do vento de proa para soprar. Em linguagem figurada, quer dizer  que se ela não tomou uma atitude, não tomará  mais. O emprego de mais um advérbio "ainda", significando "até agoradeixou a frase deselegante, com excesso de advérbio.Vejamos a frase:  "Se até agora não há vento de proa, jamais haverá vento de cauda". Isso mais parece  uma praga, calmaria, de 1500. Foi assim com Cabral. Na dúvida eu quero desejar a Presidenta, bons ventos, que soprem de proa e de cauda. Peço ventos de estibordo e de bombordo, e se Dilma ainda não decolou, vai decolar com a energia do povo brasileiro.  Por que o Professor não pediu para o Inácio ajudar a fazer a  frase? Espero que os pilotos de planadores não leem isso. Para quem não se lembra do Doutor, ele ficou oito anos no poder, bateu o recorde de desemprego, arrocho salarial para todos os funcionários federais incluindo Exército, Marinha e Aeronática. Compra de votos, ou seja mensalão para aprovar a sua reeleição,  mandou legislar em causa própria e venda das estatais desvalorizadas favorecendo os compradores. Estrada? Pergunte aos camioneiros. Liberação de verbas para construção de escolas? Pergunte aos nordestinos e a nação toda.   Fernando Henrique tem um dos mais luxuosos escritório que alguém possa imaginar para encontros políticos e uma fazenda que para percorrê-la o avião deverá ter muito vento de cauda, ao decolar de seu próprio aeroporto, construído com dinheiro sujo. O que tem o Professor para ensinar para a Dilma? Professor fique com esta frase  de Guimarães Rosa: "Sou o que não foi, o que vai ficar calado". Extraída de um conto "A Terceira Margem do Rio". Confira
Assunto relacionado:
1 - FHC e a orquídea "sem fungar"

sábado, 20 de novembro de 2010

MISSÃO IMPOSSÍVEL - Mª de Lourdes Cardoso

          Numa das minhas viagens para Torres, falava no carro sobre achados arqueológicos no Himaláia. Sabe-se que é uma das maiores e mais altas cadeias de montanhas da terra. Devería-se  dar crédito a quem diz que viu alguma "coisa estranha" por lá e que até publicou. Depois de falar disto para o meu irmão e minha cunhada surgiu a minha crônica "MAPINGUARI - O ABOMINÁVEL HOMEM BRASILEIRO", baseado no livro 3ª Visão do Rampa.  Mencionei que ele se deparou frente a frente com um abominável homem das neves em uma viagem pelo Himaláia, mas não mencionei que ele também viu um grupo desses homens. Falei porque não levar a sério o que Rampa escreveu em vez de condená-lo, ridicularizá-lo e partir em missão em busca dessa ou dessas prováveis tribos.
         Um cientista da Universidade do Arizona, pensa exatamente como eu,  pensa em criaturas com DNA e RNA diferentes do nosso. Portadores de arsênico, seria o exemplo, no lugar do carbono, hidrogênio e outros elementos formadores da nossa constituição.
         Concordo com o físico Paul Davies em uma coisa, se existe um "ser" que vive no Himalaia com  traços diferenciados o DNA vai ser diferente, sem dúvida. Se sair das entranhas do Himalaia, onde se encontram fontes hidrotermais, das cavernas e picos não atingidos ainda, sobra muito pouco. Para Paul, não.
        A nossa floresta amazônica está cortada de rios, e o homem brasileiro ou estrangeiro já andou por ela, mas ainda há muito chão para percorrê-la. Há indícios de "coisa estranha" por lá, mas vistos andando a pé.
        Para Paul, essa missão custa muito pouco  e ele espera ser encontrado alienígenas que poderão estar debaixo do nosso nariz. Será que as criaturas de que Paul está falando  ando em discos-voadores? Os nossos, daqui andam a pé (todos se lembram do et de Varginha que até ganhou uma carona).  Dados extraídos de uma crônica "Missão à Terra" de James Morgan (Estados Unidos).

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

MINHA CAIXA DE E-MAIL - enviado p/Jair Gil Bernardes Jr. (POLÍTICA E JARDINAGEM)


"Existe um movimento chamado fhashmobs (grupo de pessoas) que de forma inesperada, aparecem em local público e fazem uma performance qualquer. Ela é sempre de ação rápida, pegando todos de surpresa, fazem a brincadeira, sai cada um para um lado, dando a impressão de que eram pessoas que circulavam por ali. Acompanhe o belo espetáculo da Companhia de Ópera da Filadélfia em um Mercado Público".  Jair G.Bernardes Jr

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

MINHA VÓ IGNÁCIA E SANTA CATARINA DE SENA

                                                    Muito devota de todos os santos, minha vó, tinha santinhos de todos os cantos da terra, por onde fora canonizado algum. Ela tinha a estampinha e a oração. Pedia para que ela abrisse o baú e me  mostrasse os anginhos que ela tinha guardado, com aqueles rostinhos redondos, rosados e olhinhos azuis. Tinha também suas preferências. Era devota de Santa Catarina de Sena. Uma religiosa da Ordem Terceira de São Domingos. Pedia a Santa Catarina que curasse gripes e todo tipo de peste que poderia estar pela terra. Fazia o sinal da cruz, beijava a foto da santinha, rezava com muita fé e guardava novamente no baú. Contava minha vó que esta santa tinha seguidores por toda parte, porque ela havia pacificado, havia falado com Jesus e ela tinha ditado muitas cartas que levaram a todos a união e a fé. Disse que uma madre religiosa havia construído um convento o maior do mundo, (há um outro convento, também muito grande) que todos os habitantes da cidade trabalharam de sol a sol para terminar a tal obra e que se chamava o Mosteiro de Santa Catarina. E esta devoção se espalhou pela America do Sul trazida pelos padres missionários.
      Muitos anos depois passando por Arequipa, desgarrei-me do grupo, e visitei o mosteiro que fica próximo do Hotel e  da Praça das Armas .Minha vó estava certa. As notícias correram Andes abaixo. A obra é monumental. Chama-se Monasterio de Santa Catalina. Pasmem, pena que vovó já não era mais viva, para contar-lhes  o que vi.
      A religiosa era viúva de dom Diogo de Mendonça,  muito rica chamada dona Maria de Guzmán. Mandou construir o convento sob a égide de Santa Catarina de Sena, e sob os ensinamentos de São Domingos, ou seja as freiras dominicanas.  Entraram para o convento as moças ricas de Arequipa e arredores que recebiam dotes mensais dos pais, alguns até proprietários de minas (alguém me falou em minas de ouro).
     As paredes do convento são de  pedra tem a espessura de meio metro, para aguentar o frio dos Andes e possíveis terremotos. A arquitetura é belíssima. Uma cidadela com inúmeras ruelas, jardins internos e fonte.  Cada religiosa tinha o seu apartamento completo. Impressiona o forno e fogão a lenha juntos nos apartamentos, com uma escrava para cada uma, que deveria fazer pães e vender  para a população pela janela. A louçaria era de porcelana inglesa com desenhos pintados a ouro. A prataria também fazia parte. O mobiliário está completo. O guia apontou para um quadro. Um quadro pintado a óleo chamava atenção pela perfeição da pintura dos olhos,  os olhos nos seguiam para qualquer lado que íamos. Caminhei de um lado para outro para me certificar do que estava vendo. Lembrei-me então das aulas do ginásio, onde a  irmã Regina (prof. do ginásio)  havia falado desse quadro. Os ricos espanhóis trouxeram para o Peru pintores de Sevilha para pintar e ensinar, no caso, mais parece uma obra de grande pintor. Em Porto Alegre, numa exposição, vi o auto-retrato de Sarah Bernad que, também  me impressionou. As escravas dormiam quase ao relento, numa cama de pedra com cimento e sem colchão. O quarto mal dava para entrar,  apenas uma abertura de porta que dá para as ruelas centrais com uma cortina servindo de porta.  A  temperatura chega abaixo de  zero graus, a uma altitude 2.378 metros.  A cidadela possui 20.400 metros quadrados. Viveram ali entre religiosas e leigos aproximadamente 500 pessoas. Eles não sabem ao certo o motivo da grandeza da obra. Poderia ter servido de esconderijo ou por motivos de terremotos. Não sabem, também o que se passou  dentro do convento. Tombado pela UNESCO, é o único mosteiro  formando uma cidadela no mundo. Paga-se para se fazer a visita. As recepcionistas mais parecem umas aeromoças. Recebem a todos com muita elegância e perguntam logo em qual idioma se quer que o  guia lhe dê as explicações. Certa de que não falariam a minha língua, disse arranhando em francês que era brasileira e queria um guia que falasse português. A minha solicitação não foi contemplada, como eu previ. Sorrimos. Na entrada estava a foto da madre, num quadro mandado fazer por um Papa, no qual ele fez questão que colocasse na cabeça da diretora, as aspas do demônio.  Eu vi e não pude fotografar, porque não havia levado flash. Há também quem diga que a madre foi beatificada pelo Papa João Paulo II, pois o demônio fez um milagre e substituiram as guampas da freira por rosas, mas a cara de diabo continua lá. Se passar por Arequipa, confira.  

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

MALDITOS CAÇADORES DE CERVOS E VEADOS



        Contou-me uma pessoa que todos os fins de semana e feriados ela, o marido e um outro casal acampam em Viamão/RS/Brasil para caçar cervos ou veados. Disse-me também que já não aguentava mais comer este tipo de carne. Falei sobre o crime ambiental e disse-me que não consegue convencer o marido de cometer tal crime. Depois de algumas perguntas apenas se limitou a dizer que era para aqueles lados, nas fazendas. O Correio do Povo cita Banhados dos Pachecos, como um refúgio de vida silvestre. A Secretaria Estadual do Meio Ambiente se não tem guardas-florestais que coloquem alguém para vigiar esses malditos caçadores de fim de semana.
                                                                  Postedy by Maria de Lourdes Cardoso

UM DIA NA VIDA DE IVAN DENÍSSOVITCH - Alexander Soljenítsin

       Alexander Soljennítsin nasceu 1918, em Rostov, na Rússsia. Formou-se em Matemática e Literatura. Foi soldado do Exército Vermelho de l942 até l945. Foi condecorado e promovido a capitão e na mesma data preso na Prússia Oriental por ter feito comentários acerca do ditador  Josef Stálin. Foi para a prisão de Caraganda no norte do Kasaquistão, onde veio a sofrer de um câncer do qual se curou. São construídos um número incalculável de Gulags (campos de prisioneiros por vários motivos) nos quatro pontos da União Soviética, inclusive acima da linha do Ártigo, onde ele também esteve. Os prisioneiros de Estalin chegaram a milhões de pessoas e eram submetidos a trabalhados forçados, quase escravidão. Poderíamos chamar de conto, novela ou de crônica o livro de Alexander. Escreve na 3ª pessoa, Ivan  é o próprio autor  disfarsado em personagem por ser perigoso narrar em 1ª pessoa. Publica o livro em 1960 incentivado por Nikyta Kruchev e com a queda deste volta ser perseguido, porém conhecido mundialmente por uma literatura genuinamente russa. Narrativa que  atinge os cinco sentidos. Leva-nos para dentro da prisão e nos convida para tomar uma sopa com olho de peixe e talos de urtiga, numa temperatura que ultrapassava os -40° graus. Publica outros livros que eu não li, mas que a medida que vai escrevendo vai se aprimorando. Recebe o prêmio Nobel de Literatura em l970 pela exaltação da pessoa humana que ele mostra em Ivan,  foi testemunho da miséria, da dor e da injustiça que sofreu e que o ser humano sofre. Expressão empregada na narrativa quando um preso recebe um castigo: "Mantenha a cabeça erguida". O filme poderá ser encontrado nas locadoras em inglês, mas de fácil compreensão, depois da leitura do livro. Confira.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

FERNANDO CAPELO GAIVOTA - RICHARD BACH

http://www.youtube.com/watch?v=7wYpVy9W29M&feature=related
                                           Clique acima
RICHARD BACH NASCEU EM OAK PARK, ESTADOS UNIDOS EM 1936. TATARANETO DE BACH (COMPOSITOR). LEITURA FÁCIL E INDICADA PARA FORMAÇÃO DOS  JOVENS. BACH COLOCA UMA GAIVOTA COMO PERSONAGEM. UMA DAS FRASES DITAS POR ELE NOS LEVA A TEMÁTICA DO LIVRO: "NÃO É O DESAFIO QUE DEFINE QUEM SOMOS NEM O QUE SOMOS CAPAZES DE SER, MAS COMO ENFRENTAMOS ESSE DESAFIO: PODEMOS INCENDIAR AS RUÍNAS OU CONSTRUIR, ATRAVÉS DELAS E PASSO A PASSO UM CAMINHO QUE NOS LEVE À LIBERDADE". NARRATIVA DE FICÇÃO, POÉTICA E DE FORMA FIGURADA USA UMA GAIVOTA PARA MOSTRAR ATRAVÉS DESTA QUE É POSSÍVEL O SER HUMANO EVOLUIR.  ESTA EVOLUÇÃO SÓ ACONTECE DEPOIS DE MUITA LUTA, COM UM APRENDIZADO INSISTENTEMENTE. GEROU UM BELO FILME COM TRILHA SONORA  DE NEID DIAMOMD. CONFIRA...
                                                 Postedy by Maria de Lourdes Cardoso

terça-feira, 19 de outubro de 2010

LIMITAÇÃO DOS FILHOS - Ogino e Knaus




      Graça era pouco para definir nosso cavalo que chegara de Porto Alegre para enfeitar o pasto nos fundos de nossa nova moradia. O pai comprara esta casa da mesma pessoa que vendera a primeira para nós em Morro Azul, seu João Ponciano de Barros.
      Seu João não esquecera de nada ao fazer a casa: dependência de empregados, instalação sanitária, despensa para os alimentos e um belo pomar. Já ia esquecendo as abelhas, galinhas, patos e a vaca que nos dava o leite.
     Para surpresa nossa, muitas casas não tinham  instalação sanitária, as privadas eram construídas   as         margens do rio Paraiso e os dejetos caiam direto na água.   O terreno era todo cercado.   Perdoem-me não     era um terreno, eram terras sem fim.  As terras iniciavam na frente da estrada,    demarcadas com acácias negras e por mais que eu tentasse   nunca consegui percorrer mais que a metade delas.
    Via naquelas árvores um toque de romantismo. Espaçoso jardim com dálias, cravos, cravinas, palmas e muitas outras espécies. Como na primeira casa, esta tinha um avarandado que abrangia a frente toda. Dali se observava o jardim e as acácias crescendo cada vez mais. Um caminho de tijolos fora feito para se chegar do portão até a entrada de casa. Na primavera cuidávamos para não pisar nas flores que pendiam nas bordas do caminho.
     O cavalo era imensamente alto para quem estava acostumado com um petiço que tínhamos em Torres. Era do Adroaldo, nosso irmão mais velho. Dizia-nos ele que o petiço sorria, tal era a paixão que ele tinha pelo animal.
     O Belo, o cavalo que nosso pai ganhara de presente, chegara com algumas recomendações. Não obedece cercas e cancelas muito baixas porque este era um cavalo de hípica, acostumado a saltar e tudo isso ele fazia com muita elegância. Cruzava o riacho que cortava o gramado com belo salto sem precisar molhar os pés, para a nossa alegria. Cuidados daqui e cuidados dali, o  cavalo logo aceitou o novo dono, nosso pai. Para pegá-lo, escondia o freio, levava-lhe milho e depois tudo ficava fácil. Todos os dias eu ia até o gramado ver o cavalo pastar, chamar-lhe para mudar um pouco de refeição e levava uma bacia com milho. Olhava-me, aproximava-se o mais que dava, mostrava-lhe o milho, resfolegava e saia em disparada. No dia seguinte lá estava eu jogando o milho, aproximava-se, olhava para mim e dava um belo show. Jogava as patas traseiras para o ar e fugia para bem longe. Zildinha estava com quatro anos apenas, era a formosurinha da casa. Era o quinto filho que nascera depois de nossa mãe e de nosso pai estudar juntos a tabelinha do livro chamado Limitações dos Filhos, que aliás a  tabelinha estava funcionando, pois já fazia cinco anos que a mãe não engravidava. Zildinha completou  quatro anos, assitindo-me tentar a  tratar do cavalo e ele sempre trocando o milho pelo pasto.
     Entretida a decorar a declinação terra/terrae do latim, para o dia seguinte, não tive tempo de pensar em nada, mas não deixei de estudar no gramado. Para surpresa minha e de quem estava em casa a Zildinha, aquele pingo de gente, aproximou-se do cavalo que era imenso, como já disse, levou um punhadinho de milho na palminha da mão e com uma cordinha na outra. Laçou o pescoço, apoiou-se com o pezinho no joelho e subiu para sua própria felicidade, para mim foi um espanto. Ela ria muito em cima do cavalo do susto que eu levei e saiu a passear. Ela e o cavalo não se separaram mais...  Esta imagem foi tirada da Internet, não quero infringir qualquer direito, no momento solicitado retirarei.
                                               Postedy  by Maria de Lourdes Cardoso

sábado, 16 de outubro de 2010

PARAPSICOLOGIA - A PRECOGNIÇÃO DE ABRAHAN LINCOLN

 Lincoln nasceu em 12 de fevereiro de 1809 em Kentucky e aos seis anos mudou-se com a família para Indiana. Estudou direito e foi conhecido advogado em todo território de Illinois.  Pertencia ao Partido Republicano e foi eleito  o décimo sexto Presidente,  em 1861. Mandato tumultuado pela Guerra Civil Americana. Assinou uma ordem de transferência de regimento para agradar a um político e o Secretário de Guerra, Stanton, recusou-se a cumprir as ordens do Presidente, alegando que seria um erro grave e o chamou de tolo. Alguém para prejudicar o Secretário, contou ao Presidente o elogio pouco agradável que lhe fora dado e respondeu: "Se  Stanton me acha tolo, é porque o fui; ele poucas vezes se engana. Preciso falar com ele". E revogou a ordem. Ficou conhecido pela humildade. Discutia-se a liberdade dos colonos que em alguns estados do norte já haviam sido libertos pelo Acordo do Missouri. Lincoln discursou em 11 de abril de l865, no qual prometia direito de voto aos negros. Um revolucionário de nome Booth indignado disse que iria assassiná-lo.
      Em 05 de abril de l865 contou a um amigo Ward Lamon que tivera um sonho e este registrou em seu diário. Disse-me Lincoln: "Fui deitar-me e sonhei que saia da cama e vagava pelos quartos, não vendo pessoa alguma, mas ouvindo gente chorando...Para tentar descobrir o que estava acontecendo, fui para o East Room (sala leste) da Casa Branca, onde com grande surpresa, vi um cadáver coberto sobre uma plataforma. Perguntei a um dos guardas presentes quem havia morrido e ele me respondeu que fora o presidente, assassinado". 
      Em 14 de abril de l865, vai ao Teatro Ford com a primeira-dama. O inimigo que sabia de tudo entrou no camarote, esperou o momento em que a plateia com risos abafasse o tiro. Booth disparou um único tiro com uma Deringer calibre 44 na cabeça do Presidente. O segurança lutou com ele e este se desvencilhando subiu ao palco e gritou em latim "Sic semper tyrannis!" "Isto acontece sempre com os tiranos!" Uma caçada de doze dias pelos agentes federais o encontram em Virgínia, em um celeiro e feriram-no, vindo a morrer poucos minutos depois.
Bibliografia: Parapsicologia explicada ( O MUNDO DO PARANORMAL)

Marcador: Parapiscologia - A precognição de Abrahan Lincoln

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

ANNA KARÊNINA - TOLSTOY

     O romance "Anna Karênina", leva este nome dado pelo autor retirado da pernonagem que predomina durante toda a narrativa. Karênina é o sobrenome do marido Alieksiei A. Karênin que  recebe no feminino o artigo "a", correspondente a uma sílaba, na língua russa. Anna era irmã do Príncipe Stiepa Arcádievith Oblonski, portanto, era uma Arcádievena. Observa-se que o feminino foi acrescido da sílaba "na". Aparece ainda sobrenomes com sílabas diferentes para indicar o feminino: Vronski leva sobrenome da mãe, uma Vrônskaia. Anna era jovem, aparentava uns vinte anos apesar de ter um filho de oito, nascido do relacionamento com Vronski. Tinha vivacidade de expressão, a julgar pelos lábios e olhos, séria e triste. Era simples, franca e em outros momentos muito elegante e bela. De beleza estonteante.
    O narrador escreve o romance em 1877, na terceira pessoa, de cunho realista, tanto enredo como pessoa, também entra como personagem. Elabora um romance baseado em fatos reais vividos na sua época. Apenas joga com a realidade. Reescreve o romance por oito vezes, sempre revisado por sua esposa Sofia. O romance finalmente fica pronto depois de cinco anos com oitocentas páginas,  escrito com profunda visão e engajado até a alma na realidade de seu país, a Rússia. Toltoy era um anarquista clássico,  e tentou até a morte mostrar aos burgueses a exploração do povo russo. Era um pensador e escrevia com idéias próprias, livres e não fez restrições. Queimou quem deveria queimar. Mostrou uma Rússia sob o jugo dos Czar, sem escolas e enredada ainda por minoria que começava em pequenos grupos a discutir a servidão.  Infuenciou Gandhi na sua estratégia do Satiagarra, ou desobediência civil, que culminou com a indepedência tardia da Índia. Tolstoy, Gandhi e Proudhon embora mostrasse aos camponeses e trabalhadores de fábricas (as oficinas) que estavam sendo explorados, não queriam uma revolução. A narrativa é uma denúncia dos problemas sociais, mostra a verdade cruel dos pobres. Era um rico proprietário rural, pertenceu ao exército russo como militar, criticou o governo e aqueles com comportamento anarquista fortes. Proudhon outro pensador e escritor amenizava os anarquistas com um pensamento não revolucionário o que levou Tolstoy a segui-lo. Mistura-se com os pobres, rompe oss laços que o ligavam ao passado burguês, abandona o lar, e em 1910, aos 81 anos, morre pouco depois no mesmo  banco da Estação da Estrada de Ferro de Astapovade, a mesma estação em que ele inicia o romance de Anna  com Vronski. O autor apenas muda o nome da personagem real que era conhecida sua, por Anna. Retrata nobres e burgueses. É verossímel. Romance de ficção e realidade. As classes sociais não se misturavam. Nobres para um lado e burgueses para outro. Os vícios políticos do Império são apontados. O nepotismo é uma prática e isto incomodava o autor. Aborda a família em degradação. Emprega os substantivos felicidade e infelidade ou fidelidade e infidelidade para demostrar a desarmonia entre os casais. Vejamos este diálogo:
   "__ ...Os homens assim cometem infidelidade, é certo, mas o lar e a mulher são sagrados para eles. Eu não posso compreender mas é assim mesmo.
    __Sim, mas ele beijou-a..."
  O narrador usa a oposição no decorrer da narrativa, algumas vezes com o emprego do adjetivo, não fazendo deste uma prerrogativa. Oblonski fala das intenções de Liêvin (aqui o autor entra na narrativa como personagem com o nome de Liêven que em russo significa Leon, seu próprio nome) para o amigo Vonski e descreve-o como feliz e desgraçado. Ainda: "É um rapaz muito nervoso, que as vezes costuma ser desagradável, mas outras é capaz de ser muito simpático - coração de ouro"
   Ele prossegue com a mesma técnica: inocente e estúpida; satisfação e humilhação; comoção e ódio; sereno e atemorizado, entre outros.
   Descreve a Condessa Nordston como delgada, amarelada, nervosa e enferniça. (Os adjetivos poderiam ser reduzidos no máximo de três, dando maior elegância ao texto).
   Com frequência parece o emprego do "tu", como neste parágrafo: "Stiepan tratava por "tu", quase todos os conhecidos anciãos de sessenta anos, rapazes de vinte, comerciantes, atores, ministros, ajudantes-de-campo... Tratava por "tu" todos que bebiam champanha e bebia champanha com todos".
   A cunhada de Ana tratava o marido por "tu", significando que estava tudo bem entre eles. Este tratamento só acontecia em momentos muito íntimo.  O francês era falado por muitos e o alemão dominava quase toda o território. A França conquistava toda Europa, inclusive a Rússia, com a sua cultura e desenvolvimento industrial. Paris era o centro e encantava os povos. O iluminismo predominava no século XVIII e o narrador vivia este momento. De lá vinham os musicais que se apresentavam com frequência nos teatros como o Bolchoi e nos encontros se falava o francês. Vamos ver um trecho do narrador. " O criado se deu a repetir malicioso, todo o menu a francesa:                                                                                         
     __ Que vamos beber?
     __ Gostas do lacre branco?
     __ Cachet blanche - corrigiu o criado.
    
__ Bom traze desse para as ostras...
     __ E que vinho de mesa deseja Exelência?
     __ Traze-nos
Nuits
. Não, antes, o clássico Chablis".     Até a água era servida a francesa. Não faltava a soupa de urtiga servida com ratáfia palavra russa que significa pão,  e vinho branco da Criméia.

      Abordou o desgaste das terras, a qualidade da mão-de-obra a maneira européia. Este era assunto dos proprietários de terras. Denunciou o trabalho escravo na parte oriental da Rússia (a maioria do território), ali a renda era nenhuma. Escreve William Godwin: "Não há quase nenhuma forma de riqueza, consumo ou luxo em qualquer país civilizado que não seja, de alguma forma, consequência do trabalho manual e do esforço conjunto dos homens que nele vivem....Basta que cada homem calcule, a cada cálice de vinho que bebe ou diante de cada objeto que usa como adorno, quantos indivíduos foram condenados à escravidão, ao suor, a uma labuta incessante, a uma vida de dificuldades permanentes, má alimentação, ignorância e a mais brutal insensibilidade para que ele pudesse dispor de luxos...Diz dos propritários (impostores), seus antepassados deixaram papel embolorado, título que lhes concede o direito de extorquir dos seus semelhantes tudo aquilo que estes produziram com os seu próprio esforço." Escreve Tolstoy: "...os milhares de quilômetros de florestas que pertencem a um só homem _ enquanto à sua volta, centenas de pessoas não têm combustível _ precisam ser protegidos pela violência.. Isto também se aplica as fábricas e outros locais onde várias gerações de operários vem sendo esploradas...centenas de toneladas de grãos pertncentes a um só indivíduo, que as mantém escondidas para vendê-las por um preço três vezes maior em época de escasses de alimentos..." (Os grandes escritores anarquistas, G.Woodcock, p. 118 e 282).
    O narrador escreve o livro quinze anos depois da Abolição da Escravatura e do assassinato de Alexandre II, imperador do país.
     A escravidão que ainda perdurava e as péssimas condições de trabalho dos  camponeses se tornam o centro da narrativa que perpassa por todas as personagens com veemente discussão sobre a classe operária ficando evidente que o adultério também é visto com destaque.
     Aborda o capitalismo:
     "__ Bem sabes que o capital oprime o trabalhador. Entre nós os operários e os camponeses suportam todo o peso do trabalho  e as coisas estão feitas de tal maneira que por mais que trabalhem não conseguem passar de bestas de carga".     Imperava no século XIX  o Capitalismo Liberal, teoria econômica em que a estrutura estava calcada no aumento dos investimentos. Assim crescia o número de empresas, empregariam mais, consumiriam mais e como resultado teriam o desenvolvimento. Esqueciam-se que o capital ficava nas mãos de poucos e a mão-de-obra assalariada sofria com baixos salários, aumentando a pobreza. Alguns escritores empregaram em suas obras as idéias de Marx como Tolstoy e Victor Hugo (Os Miseráveis). "Eu e Marx éramos amigos naquela época e nos víamos com frequência. Eu o respeitava pela sua sabedoria e pela dedicação séria e apaixonada, ainda que misturada a uma certa dose de vaidade, à causa do proletariado. Costumava ouvir atentamente sua conversa inteligente e instrutiva, mas não havia intimidade entre nós..." Bakunin, 1840. Só mais tarde (século XX) surge o Capitalismo Keyniano que pretendia corrigir as desigualdades de classe.
      "Segundo Edmund Phelps, prêmio Nobel de Economia afirma que o Capitalismo é necessário, mas é importante que seja inteligente, capaz de acabar com as desigualdades e melhorar o mundo. Afirma também que será preciso dar subsídios para elevar os salários baixos. Phelps critica a Europa social-democrata por não ensinar os jovens o quanto é bom, útil, necessário, lúdico e divertido ganhar dinheiro". (J.M.S/C.Povo)
     Abordou a política e as eleições provinciais. Discutiam na boca da urna aos gritos, mas as expressões do rosto e os olhares eram ainda mais furiosos:
     "__ Um voto só pode decidir as eleições". O candidato do ziemstvo (palavra russa que significa Conselho de administração local, eleito pelas classes proprietárias das terras de 1864 a 1918) era ultraliberal. "Desprezava a pobreza, entendia que a maioria dos nobres era partidário da servidão e que só por covardia não o confessava". Este era latifundiário, funcionário do Estado e marechal da nobreza modelar. Vivia viajando para o estrangeiro sempre que podia. O curioso  que o candidato pensava de outra forma.   
    
"Achava que os camponeses russos, quanto à inteligência, encontravam-se num grau intermediário entre o homem e o macaco, e no entanto, nas eleições, ziemstvo, apertava a mão dos mujicos, ouvindo sua opinião com o maior prazer".

      Ainda falando sobre as eleições, foi encontrado dentro de uma urna um botão e uma noz.
      Não faltou apreocupação com a higiene. Dispenso comentar como foi encontrado um parente com tuberculose, num quarto de pensão.
       "Para onde vai o nosso dinheiro? Nós é que pagamos e eles trabalham a soldo. Não há escolas, nem farmácias e nem parteiras".  Referia-se aos altos impostos pagos pelos pobres, muitos deles precisavam resgatar as próprias terras pagando para isto muito dinheiro.
     Discutiam se os pobres deveriam estudar (temiam a esperteza destes):
     "__ Ilustrado um mujique torna-se muito pior trabalhador".  A administração do país era péssima e não ficou de fora a crítica aos tribunais de justiça.
     Os defensores, os fiscais, ou o presidente do tribunal, pergunta ainda ao meu amigo Aliocha, o tontinho, depois de seis horas de tolice:
"Senhor acusado, reconhece-se culpado do roubo do presunto?"

     Houve um delito quando Aliocha furtou para comer. O resultado do julgamento foi feito pela cabeça do doente. Uma "doidera" desmedida feita pelo tribunal.
      Numa sociedade onde o Judiciário não funciona, não se dá o respeito como órgão  setorial de primeira relevância, quem perde é o Estado, no seu todo. Com relação a lei da escravatura não houve cumprimento. Lá século e meio atrás era assim, aqui século e meio depois empregamos para nos referir aos condenados as expressões "ladrão de galinha" e "colarinho branco"
     Comentou o diagóstico dado pelo médico ao paciente com fígado dilatado: "Mandou fazer muito exercício físico, o mínimo de esforço cerebral e sobretudo evitar contrariedades..."      As discussões transitavam também no terreno da filosofia. "O principal problema da filosofia, em todos os tempos, sempre foi o da necessidade de se encontrar a relação indispensável entre o interesse pessoal e o interesse geral". Aqui o autor reforça a crença em Deus: "Eu educado como cristão na idéia de Deus, tendo incluído a minha vida dos bens espirituais que me deu ao cristianismo, procuro, vivendo desses bens sem disso ter consciência, procuro como aquelas crianças, destruir o que me alimenta..., tal qual como essas criaturas quando sentem fome e frio, recorro a ELE e não menos que as crianças..."  Vejo nessa reflexão a angústia do autor perante a fome e o frio russo que as crianças enfrentavam e elas recorriam a Deus e "não menos que as crianças" (aqui, onde grifei, está presente a crença do narrador que também recorria a Deus nessa  situação de fome e frio, pelas crianças).
      Como explicar o mal?
      "
Mas nada sei e nada posso saber senão o que a todos foi revelado!"     
                                          O povo está num nível material e moral abaixo que decerto se oporá aceitar aquilo de que necessita.
      Na Europa, a propriedade racional faz progressos, porque o povo está educado. Por conseguinte o que temos a fazer é educar o povo e pronto, como se verifica neste diálogo:
      __
Mas como educar o povo?
      __ Para conseguir são necessárias três coisas:
escola, escola e escola...
      __ Para que servem as escolas?
      __ Acordarão o povo para necessidades novas.
    
Expressões de cunho religioso e educação moral aparece em muitos momentos:
   "__ Falas em educação  moral. Não podes imaginar quanto isso é difícil! Ainda uma dificuldade está por vencer, surge logo outra, e de novo recomeça a luta. Se não fosse o apoio da religião... Nenhum pai poderá educar seus filhos sem o auxílio dela".    "Só Deus sabe se teriam reconciliado de todo". Sem a busca religiosa esta reconciliação que o autor se refere não teria acontecido.  Reconciliavam-se consigo e com Deus sentindo-se absolvidos pela consciência do dever cumprido, pelas  dificuldades que enfrentavam na educação integral dos filhos e na busca por uma sociedade melhor. Concluiram afirmando que essa luta é compensadora, reconciliavam-se e agradeciam a Deus. "Graças a Deus a reconciliação é completa, completa."

     Abordou o espiritismo, mostrando as discussões entre as pessoas:
    
"__ Queremos fazer uma experiência.
      __ De que se trata?
      __ De fazer girar mesas de pé-de-galo.                 
       __ Perdoem-me, minhas senhoras e meus senhores, mas acho muito mais divertido que brinquem de prendas. Brincar de prendas tem algum sentido".
 Abordou o comunismo, o socialismo e a fusão de classe.  Para mostrar que esta última era intocável empregou a expressão:
 "da-me náuseas". 
      Anna conhecera Vronski, amigo de seu irmão, no trem e vivia simultaneamente com este e com Alieksiei.  Mais tarde o marido tomou  coragem e procurou um advogado para providenciar o divórcio. Vejamos o diálogo a seguir:
      __Tenho a infelicidade - principiou - de ser um marido enganado e desejo cortar legalmente os laços que me prende à minha mulher, isto é, quero divorciar-me...
      O advogado num esforço para não rir:
     __ Queria a minha colaboração para conseguir o divórcio?
     __ Precisamente, mas devo preveni-lo de que hoje se trata apenas de uma consulta...
     __ Oh!  É sempre assim - replicou o advogado. __ Depende de Vossa Excelência.
     Alieksiei pediu algumas explicações sobre as leis  (do código russo), e o advogado começou enumerar casos que levariam ao divórcio: "defeitos físicos dos conjuges, ausência, em lugar desconhecido, durante cinco anos, e adultério..." "...exluindo em que não há defeito físico, nem ausência em parte incerta..." e não desenrolava  o conteúdo enumerando nos dedos. O marido que estava acompanhado da mulher sugeriu então provas de adultério através de cartas. O advogado desprezou as provas e o encaminhou ao alto clero dizendo ter simpatia por eles:
     __ Os padres arciprestes gostam muito de estudar os mínimos pormenores de tais assuntos.
     Disse, então que precisava de provas testemunhal.
     Nos encontros discutiam a sopremacia de um povo sobre o outro. O que seria uma civilização superior? A inglesa, a francesa ou a alemã. A França caminhava em passos largos."Verificamos como as províncias renanas se afrancesaram: será isso uma prova da inferioridade dos alemães?"
   Falavam de cultura, línguas antigas e enveredavam para o tema da educação feminina:
   Aliesksiei deu o seu ponto de vista: "...se confunde a educação feminina com o problema da liberdade da mulher e  apenas neste sentido aquela pode ser considerada prejudicial".                                         A falta de instrução gerava falta de direitos e a escravidão. O abismo que existia entre o homem e a mulher  chegava ser incompreendido pelos próprios homens.  Neste nível de conversa saia de tudo:
     __Posso citar diante das minhas filhas: a mulher é um ser de cabelos compridos e..."
     Não esqueceram de falar em amamentação.
     Até Karênin sorriu. Explicou um:
     __Até um inglês em alto mar , abordo de um navio, conseguiu amamentar um filho...
     A infidelidade do homem era diferente da infidelidade da mulher. Observe o diálogo:
     __Queres dizer que devo namorar as criadas? Perguntou Liêvin.
     __ Por que não, se nos dá prazer?
     A minha mulher, isso em nada prejudica. E a mim diverte-me. O importante é guardar o respeito ao santuário familiar. Que ali nada aconteça...
       Vronski tentava falar com Anna, mas esta se irritava. Não podia viver de amor, tinha ocupações...
     O narrador não deixou pedra sobre pedra: "As árvores ainda que fossem retorcidas e velhas não as cortaríamos para plantar um canteiro de flores: trataríamos de dispor os canteiros de tal sorte que não tivesse de sacrificar as árvores. Uma árvore dessa não pode fazer-se num ano".
     Anna lia Taine (Hippolyte) filósofo, crítico e historiador francês, representante do determinismo, cujos elementos essenciais são: a raça, o meio e o momento que viveu na mesma época do narrador e que fazia sucesso com suas obras.
    Anna já estava um ano sem ver o filho e isto a deixava transtornada, ora se culpava, ora culpava Vronski e não faltava os ciúmes que a tormentavam. Sentia amor e ódio. Crescia as desconfianças e uma carta que não chegava a levou a estação para surpreeender aquele que ela dizia ser "a outra paixão", agora sob cores hediondas.     Pensava Anna que no fundo da sua alma ele terá grande satisfação em ver-se livre de mim. Ela encontra a carta  e leu: "Sinto muito que a carta não tenha chegado a tempo. Voltarei às dez".
    Atravessou a estação. Um comboio de mercadorias ia entrar na gare. Lembrou-se do homem atropelado no dia em que conhecera Vronski e comprendera o que tinha a fazer. Anna ainda sofria com censuras e o narrador que inicia o romance com sofrimento das pessoas envolvidas no adultério finaliza com castigo:
    "Ali mesmo, no meio! Castiga-lo-ia e livrar-me-ei de tudo e de mim mesma.
    Onde estou eu? Que faço eu? Para que? Pronunciou: Senhor, meu Deus, perdoa-me tudo!"
     E a vela, à luz da qual Anna lera o LIVRO DA VIDA. Apagou-se para sempre.
                                Posted by Maria de Lourdes Cardoso AT. 11.09.2010 @ 14,12 pm



3ª VISÃO - Lobsang Rampa

      3ª VISÃO - LOBSANG RAMPA
      O Brasil também tem o seu Abominável Homem das Neves ou melhor das Florestas. Aqui e na Austrália eles foram vistos nas florestas. Os brasileiros o batizaram de Mapinguari (que signifca gigante lendário do folclore amazonense). Há relatos de avistamentos nos estados do Amazonas, Pará e Acre. Cientistas do mundo inteiro ouviram seringueiros, índios, garimpeiros, exploradores e guias de florestas.
     Circula uma história que um seringueiro, depois de um exaustivo dia de trabalho no seringal, aproximando-se de sua casa que ficava pegada ao mato e junta a uma plantação de milho, viu um desses na porta de casa, entrando.
     Era assustador e com o corpo coberto de pelos e pés enormes. Apressou o passo em direção a "estranha coisa", pois sua esposa estava a sós. Ao ouvir os passos do seringueiro o Mapinguari embrenhou-se entre o milharal e atingiu a floresta sem "fazer mal" para aquela mulher indefeza.
     Os americanos procuram pelo pé-grande e pelo número de pesssoas que dizem ter encontrado o homem já existe uma lei de proteção a "a ele".
     Lembrei-me então, do livro 3ª Visão do Rampa que trata em um capítulo sobre a "estranha criatura". Rampa foi um monge tibetano que depois da invasão dos comunistas chineses ao seu pais , terminado seus estudos veio para a Europa, escreveu muitos livros contando histórias e tradições de seu povo. Organizou uma escursão que partiu do Tibete em direção ao Norte para estudar as montanhas e conhecer outras paragens. Na emocionante aventura pela cordilheira do Himalaia enfrentou lençóis de neve, penhascos, gargantas, rios, rapel com morte e sobretudo frio que ele diz ser o "inferno frio" e não quente como se costuma dizer.
    Explicou que pessoas haviam encontrado ali esqueletos de animais gigantescos e somente mais tarde ele teve contato com estes esqueletos.
    Depois do inferno gelado com muito nevoeiro, chegaram a um local quente "paraiso celeste". Ali encontraram água que jorrava da terra e formava uma fonte quente. A atmosfera era também quente com uma vegetação e encontram frutas que ele provou e gostou.
    Descreve o autor: "Foi aqui também que vi o Abominável Homem das Neves. Eu estava curvado a colher ervas quando algo me fez levantar a cabeça. Ali, a menos de dez metros de distância, estava essa criatura de que tanto ouvia falar. Olhamos um para o outro, ambos petrificados de medo, durante um período que parecia infindável. Aquilo apontava para mim, soltou um miar estranho como o de um gatinho. A cabeça parecia não ter lóbulos frontais, fugindo para a nuca diretamente a partir da pesada arcada supraciliar, o queixo era também fugidio e os dentes eram grandes e proeminentes. No entanto, a capacideade craniana parecia semelhante ao do homem moderno. As mãos e os pés eram grandes e oblíquos, as pernas eram curvas e os braços mais comprido do que o normal. Verifiquei que a criatura caminhava sobre a parte externa dos pés, como fazem os homens... O Abominável Homem das Neves soltou um grito, virou-se e afastou-se aos pulos. Desatei a correr na direção oposta e devo ter batido o recorde de velocidade para altitudes acima dos cinco mil metros". pg. 219, 21ª edição.
    Segundo Rampa há histórias de ráptos de mulheres no Tibete. Este ouviu contar que uma "freira" da ordem fora raptada por um durante a noite.
    Autor de várias obras, leia 3ª Visão, com certeza aprenderão algo com ele. Confira.
Posted by Maria de Lourdes Cardoso. AT 09.09.2010 @ 13:15 pm