quarta-feira, 30 de novembro de 2016

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

'NON' PRECISA DESENHAR AS BANDEIRAS, Rosangela Elisabeth Muller!

bandeira finalizadaResultado de imagem para bandeira do PTImagem relacionada
Imagem relacionada

Japonês explica para Rosangela Elisabeth Muller, que bandeira do Partido dos Trabalhadores é branca por dentro e vermelha por fora e bandeira do 'Nippon' é o contrário. Japonês fez a bandeira vermelha por dentro com o Hinomaru, disco do sol  e branca por fora, porque japonês gosta do branco, da paz. Japonês explica que a bandeira do Partido dos Trabalhadores tem uma estrela branca e a da China tem uma estrela amarela, porque chinês gosta de amarelo e tudo na China é amarelo. A bandeira do Brasil é verde e amarela, e com estrelinhas brancas, num disco azul. Brasileiro tinha muito verde, muito ouro e céu grande, sobre as estrelinhas. Japonês manda ler história para conhecer todas as bandeiras para ver que não são iguais, mas algumas parecidas...todas tem um signo e um significado. 

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

O Estrangeiro - Albert Camus


Li L'étranger, em 1980, com dificuldades de tradução e com o confronto dos fatos brasileiros, lembro Camus, com aquela narrativa estrambólica, no diz que me disse? Poderia ser uma narrativa diferente, mas nunca relatada. Por que ao ler as notícias brasileiras lembro do autor?  Meursault era o protagonista que recebeu um telegrama:

"Hoje mamãe morreu. 
Ou talvez ontem, não sei.
 Recebi um telegrama do asilo: 
"Mãe morta. Enterro amanhã. Sinceros sentimentos.
" Isso não quer dizer nada. Talvez tenha sido ontem." 

Diante dos fatos vivenciados aqui, leio o seguinte:

"Nem sei se há razões para a prisão de Eduardo Cunha”, diz Gilmar Mendes

Ao receber o telegrama, o protagonista vai ao enterro e tem o mesmo comportamento do Ministro citado:  "Hoje mamãe morreu. Ou talvez ontem, não sei". "Não sei se há razões para a prisão de Eduardo Cunha".
Quando me deparo com as manchetes diárias, me sinto uma estrangeira, que ainda não chegou ao crime, que não precisa de uma absolvição, mas condenada pela situação da frieza perante os fatos relatados todas as manhãs, ora emergindo num mundo concebível, ora submergindo, num mundo irrealizável. Não há mais o diálogo, há um esvaziamento na linguagem e nos desfamiliarizamos da coisa desconhecida ou nos familiarizamos com a coisa conhecida. Tentamos nos remeter, mas caímos na teia do mundo às avessas, no estranhamento, entramos na obscuridade, na dificuldade do relato. 
Nessa pós-modernidade, dessa linguagem tresloucada de temas absurdos, com o esvaziamento dos significados linguísticos, temos que engolir não a narrativa, mas o protagonista que levanta pela manhã e não sabe o que fazer com seus neurônios ou com o seu pudor. Pasmos, estéreis, com a paralisia das ações da "radical incompletude do homem num mundo degradado", vivemos aprisionados e para se adaptar a situação presente, nos refugiamos numa metamorfose.