quinta-feira, 21 de setembro de 2017

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

MEXENDO COM LIVROS: Contexto Livre: Como se usa o título de Doutor

MEXENDO COM LIVROS: Contexto Livre: Como se usa o título de Doutor: Contexto Livre: Como se usa o título de Doutor : O título de Doutor funciona assim: Quem realmente é não gosta de ser chamado assim, se sent...

Contexto Livre: Como se usa o título de Doutor

Contexto Livre: Como se usa o título de Doutor: O título de Doutor funciona assim: Quem realmente é não gosta de ser chamado assim, se sente encabulado. Quem não é inventa lei do sécul...

Contexto Livre: Com três linhas, STJ convalida possível golpe fisc...

Contexto Livre: Com três linhas, STJ convalida possível golpe fisc...: Com apenas três linhas, a Ministra Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça (STJ) impediu que se analisasse o mérito de uma autuaçã...

Blog do Alok: Melhor levar a sério o desafio sino-russo ao dólar...

Blog do Alok: Melhor levar a sério o desafio sino-russo ao dólar...: 13/9/2017, F. William Engdahl,  New Eastern Outlook O sistema monetário internacional de 1944, de Bretton Woods, como foi...

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

RODA CUTIA - Brincadeira de Joesley e Saud

Brincadeirinha de criança virou moda de adultos no meio político e empresarial brasileiro: 

Roda cutia
De noite e de dia
O galo cantava
E a casa caia.

sábado, 2 de setembro de 2017

PERSEGUIÇÃO DE DILMA INICIA EM 2010 PELO PSDB

            
   "O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso avaliou ontem, que a presidente eleita, Dilma Rousseff, não vai poder governar "no piloto automático" como, segundo ele, o presidente Lula. Em seminário promovido pela TV Cultura, FHC afirmou que a situação econômica nacional mudou e que Dilma terá de tomar medidas mais duras, que vão afetar mais interesses. Segundo FHC Dilma e Lula têm condições e características distintas. Disse: "Snão há vento de proa, ainda, não há vento de cauda mais ". (27/11/2010-C.Povo)
   A frase denota pessimismo. Vamos encontrá-lo no advérbio "mais" que não significa "nem mais e nem menos" na frase. Significa que não vai haver vento mais, ou seja, nem hoje, nem amanhã ou jamais.O vento de cauda não depende do vento de proa para soprar. Em linguagem figurada, quer dizer que se ela não tomou uma atitude, não tomará jamais. O emprego de mais um advérbio "ainda", significando "até agora" deixou a frase deselegante, com excesso de advérbio.Vejamos a frase: " até agora não há vento de proa, jamais haverá vento de cauda". Se isso mais parece uma praga, calmaria, de 1500. Foi assim com Cabral. Na dúvida eu quero desejar a Presidente, bons ventos, que soprem de proa e de cauda. Peço ventos de estibordo e de bombordo, e se Dilma ainda não decolou, vai decolar com a energia do povo brasileiro. Por que o Professor não pediu ao Lulla para ajudar a fazer a frase? Aqui temos a clara perseguição a Dilma Rousseff, já nos primeiros dias de governo pelo PSDB. Espero que os pilotos de planadores não leem isso. Para quem não se lembra do Doutor, ele ficou oito anos no poder, bateu o recorde de desemprego, arrocho salarial para todos os funcionários federais incluindo Exército, Marinha e Aeronáutica. Compra de votos, ou seja mensalão para aprovar a sua reeleição, mandou legislar em causa própria e venda das estatais desvalorizadas favorecendo os compradores. Estrada? Pergunte aos caminhoneiros. Liberação de verbas para construção de escolas? Pergunte aos nordestinos e a nação toda. Dr. Fernando Henrique tem um dos mais luxuosos escritório que alguém possa imaginar para encontros políticos e uma fazenda que para percorrê-la o avião deverá ter muito vento de cauda. O que tem o Professor para ensinar para a Dilma? Professor fique com esta frase de Guimarães Rosa: "Sou o que não foi, o que vai ficar calado". Extraída do conto "A Terceira Margem do Rio". 

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

domingo, 23 de julho de 2017

QUEM LEVOU O PATO, A RAÇÃO É GASOLINA

Resultado de imagem para FIGURA DE PATO MUITO FEIOEra uma vez um pato muito feio. Ele se gabava de saber fazer de tudo: nadava, mas se cansava e para matar a fome tinha que mergulhar rápido, para não se afogar. Afinal não era nenhum peixe. Sabia voar, voava baixo, tinha medo da queda, pois afinal não era nenhum pássaro. Tinha uma pata como parceira que botava ovos, mas quando os filhotes nasciam, nunca sabiam qual eram os seus filhos. Afinal ele não era nenhum cardeal. Caminhava,  nadava, mas seus pés se atrapalhavam e dava de cara no chão. Afinal não era nenhum papa-léguas. Sabia fazer quá-quá-quá, mas nenhum gru-gru-gru. Afinal não era nenhum peru. Mesmo sabendo que o pato era  desajeitado e feio, mas  tinha a solução para tudo, e assim teve quem os preferisse, embora a ração seja gasolina.