quinta-feira, 31 de março de 2016

A CIZÂNIA - Pedro Cardoso Duarte

 Aprendi com meu pai a brincar com as palavras e uma delas foi a "cizânia" e quando estava com ela, ou melhor acometido por uma cizânia esfregava a cabeça dele na minha para repassar ou para que  a minha cabeça servisse de pinguela para o passado (um feedback) e assim ele desembarcava o mal ou dividia  comigo o que estava incomodando. O que incomodava o meu pai, nem eu sabia, nem ele, mas se parece com que incomoda o Brasil nos dias de hoje. Passamos por uma cizânia e não importa o que seja. Assim como não precisei traduzir o Dr. Lênio Streck, no alemão, do inglês ao latim.
  Hoje o Professor, trouxe à tona a velha palavra esquecida pela morte de meu pai, que já se vão mais de vinte anos. Orgulhava-se de ser um dos fundadores do PSDB em Torres e era o primeiro município no RS, que se antecipou com a nomenclatura e o símbolo da ave brasileira. Certo dia, apareceu com quadro a óleo pintado com um tucano, que não tinha destino certo e assim vagava pela casa, como um fantasma. Meu pai se fosse vivo estaria com mais de cem anos e assistiria o desembarque do PMDB, e certamente encolhido pela velhice não defenderia nenhum tucano que se visse enlameado na corrupção. Aos quase oitenta anos já mostrava cansaço na política feita por poucos, cansado  pelos braços cruzados dos mais jovens, sempre esperando dos idosos a solução para marcar reuniões, atas e tudo que diz respeito ao funcionamento da política. Assim desembarca desse mundo, um tucano, que nos deixa muitas saudades, pelas discussões diárias, quando de férias, nos treinava para a política, nas divergências, nas comparações de editoriais de um jornal com outro. Assim, ele lia não um, mas dois jornais ao dia. Hoje Dr. Lênio dá um show numa edição para comentar o momento político, nada que se possa reproduzir em palavras, um poliglota, um incansável Professor de doutorado em Direito da UNISINOS. Cita Esopo, meu preferido, entre as fábulas, mas sem dúvida a última me arrancou risos, pelo pedido de desculpas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário